Ordem dos Notários - Voltar Homepage
A ORDEM DOS NOTÁRIOS PRECISO DE UM NOTÁRIO PARA... PESQUISA DE NOTÁRIOS ESTÁGIO NOTARIAL AGENDA NOTÍCIAS LEGISLAÇÃO INTERNACIONAL CONSELHO SUPERVISOR
  HomePage » Notícias » Notários nos Média
ÁREA RESERVADA A NOTÁRIOS
UTILIZADOR
 
PASSWORD
  OK
Se não recebeu os dados de Acesso contacte-nos Contacte-nos

 
   
 

PORTUGUESES FAZEM MAIS TESTAMENTOS. MAS JÁ NÃO É PARA PROTEGER OS FILHOS
 
  O Expresso noticia que: "Testamentos estão a deixar de ser pensados para proteger os descendentes. A maioria dos testamentos elaborados em 2018 visava assegurar os direitos dos cônjuges sobrevivos"
 

No último ano celebraram-se em Portugal mais de 24 mil testamentos. O valor é o mais alto desde que há registos, avança o Jornal de Notícias na edição desde domingo.

Vinte e quatro mil testamentos foram celebrados nos cartórios notariais nacionais durante o último ano. São, em média, 66 novos testamentos por dia. O número, avança o Jornal de Notícias (JN) na edição deste domingo, corresponde a um aumento de 3% face a 2017 e é o mais alto desde que há registos. Mas não é só em quantidade que a prática dos testamentos está a mudar em Portugal. É, sobretudo, nos beneficiários. Quem hoje faz um testamento já não procura proteger ou gerir a divisão dos bens pelos filhos, como era prática no passado. Assegurar os direitos do cônjuges sobrevivos é agora o principal objetivo.

O jornal cita dados da Direção-geral da Política de Justiça para explicar que é nos cartórios de Lisboa, Porto e Faro que mais testamentos são registados. E explica também que, além destes há também os testamentos lavrados no leito de morte, manuscritos e assinado pelo testador na presença do notário que o deposita posteriormente no cartório para só seja aberto após a morte do seu autor. Testamentos destes foram 41, no último ano.

Seja num ou noutro caso, explica o bastonário da Ordem dos Notários, Jorge Silva, os filhos já não são a principal preocupação para quem regista um testamento. "Antes, os testamentos faziam-se para dividir os bens entre os filhos ou por fins religiosos, a pedir que se rezassem 30 missas após a morte", exemplifica. Hoje, garante o bastonário, a principal preocupação de quem faz um testamento é que o cônjuge sobrevivo não perca o direito à casa de família. "Quase todos os testamentos são feitos do marido para a mulher, ou vice-versa, a deixar a quota disponível, incluindo o usufruto da casa e o dinheiro". O objetivo é impedir que outros herdeiros, no limite, obriguem a tirar a casa.

É possível deserdar filhos?
É, mas não é fácil. Segundo Jorge Silva, apenas em casos muito excecionais é possível deserdar um descendente. São três as situações previstas: se o descendente for condenado por algum crime intencional contra o autor da sucessão ou seus familiares; se tiver sido condenado por denúncia caluniosa contra as mesmas pessoas ou, ainda, se sem justa causa recusou ao autor da sucessão os devidos alimentos. "São casos muito excecionais. E mesmo que fique a intenção em testamento, vale a decisão judicial", explica o bastonário.

As renúncias a heranças também aumentaram no último ano. Ninguém é obrigado a aceitar uma herança. O beneficiário pode entender que não tem direito à mesma ou que esta lhe poderá trazer problemas por ter, por exemplo, dívidas associadas. Em 2018, 607 pessoas renunciaram a heranças em Portugal. A decisão é irrevogável e abrange sempre a totalidade dos bens.

Jorge Silva relaciona as renúncias com a conjuntura económica. "Normalmente as pessoas repudiam por causa de dívidas, sejam fiscais, sejam financeiras associadas a créditos". É por isso que, diz, há mais renúncias em tempos de crise económica. "Em 2007, no pico da crise, havia renúncias a heranças quase todos os dias", explica o bastonário.

Veja a versão online

 
  04-09-2019
ImprimirImprimir EnviarEnviar
AGENDA DE EVENTOS
ACESSO RÁPIDO

- Cartórios Notariais onde se encontram os antigos arquivos

- Casa Simples Casa Segura - Perguntas & Respostas

- Notários com o serviço Casa Simples Casa Segura

- Portuguese Notaries who speak foreign languages

Espaço Emprego

- Lista de colaboradores autorizados

- Vídeos das intervenções realizadas no III Congresso do Notariado Português

- Centro de Arbitragem

[D]
HomePage  |  Contactos da Ordem  |  Links Úteis  |  Subscrever Newsletter  |  Ajuda  |  Mapa do Site